Páginas

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

UMA NOITE QUALQUER

Em uma noite clara de inverno,numa janela de um prédio qualquer,olho à minha frente dezenas de janelas de prédios qualquer.Pessoas que vão e vêm em suas janelas,talvez como eu,procurando uma companhia qualquer.
Na rua muitos barulhos,ônibus,carros,motos,onde seus barulhos cessam ao fechamento do farol e um minimo de silêncio se faz.As luzes brilham pela rua vindos de posteis,veículos,prédios que alegram e entristecem aqueles solitários que procuram uma companhia qualquer.
O que somos afinal?
Solitários qualquer,a procura de uma companhia qualquer,numa cidade qualquer,de um país qualquer...


FATIMA CRISTINA SANTOS